Região =>Caracterização Ambiental => Vegetação => Formações Florestais de Mata Atlântica

As formações florestais encontradas na Porção Sul da Cadeia do Espinhaço, onde se localiza o PESRM, pertencem ao Domínio da Mata Atlântica. No Brasil, a Mata Atlântica estendia-se desde o Rio Grande do Norte até o Rio Grande do Sul, ocupando uma estreita faixa litorânea e extensões de áreas mais interiores em alguns estados. Hoje restam menos de 8% de sua cobertura original (Fundação SOS Mata Atlântica et al. , 1998). Em Minas Gerais, a Mata Atlântica recobria quase a metade do estado; atualmente não atinge 4% da sua distribuição original. Sabe-se hoje que esta formação é bastante diversa floristicamente e possui muitas espécies endêmicas (ca. 40% de sua flora). Embora a legislação atual proteja as áreas remanescentes de Mata Atlântica, ela ainda vem sofrendo degradação contínua, através do desmatamento e uso não sustentável de seus recursos (Tabarelli et al. , 2005). Em Minas Gerais , pertencem ao Domínio da Mata Atlântica a Floresta Ombrófila Densa, Floresta Ombrófila Mista, Floresta Estacional Semidecidual e Floresta Estacional Decídua. No PESRM, apenas a tipologia correspondente à Floresta Estacional Semidecidual é encontrada. Por estar associada aos cursos d´água, é também denominada Floresta de Galeria (Ribeiro & Walter, 1998; Meyer et al., 2004).


A Floresta Estacional Semidecidual é uma tipologia condicionada à dupla estacionalidade climática, ou seja, uma estação chuvosa (verão) e uma seca (inverno). É constituída por árvores (fanerófitos) com gemas foliares protegidas (por escamas, catáfilos ou pêlos), tendo folhas adultas esclerófilas (endurecidas) ou membranáceas deciduais. A porcentagem de espécies que perdem as folhas nestas matas varia de 20 a 50% (considerando o conjunto florestal). A intensidade da caducifolia está diretamente ligada ao rigor da estação seca e do estresse hídrico pelo qual o conjunto da vegetação passa.

Considerando a latitude e as faixas altimétricas, as florestas encontradas no PESRM são classificadas como formações montanas. As grandes extensões de mata situam-se no fundo dos vales, junto aos córregos, em altitudes ao redor dos 1000 m. Prolongamentos, na forma de florestas de galeria, estendem-se até altitudes maiores, através das linhas de drenagem dos córregos e nascentes, atravessando a Savana (Cerrado) e atingindo a Savana Gramíneo-Lenhosa (Campos Sujos e Ferruginosos). Estudos florísticos e fitossociológicos são escassos para as áreas florestais na região, podendo ser relatados aqueles realizados por Meyer et al. (2004) e Spósito & Stehmann (2005). A comparação entre oito áreas florestais da APA Sul, incluindo Taboões, Fechos e Capitão do Mato, mostrou que as florestas da região são extremamente dissimilares (a maior similaridade não atingiu 20%), apesar da distância relativamente pequena que as separa (Spósito & Stehmann, 2005). As famílias botânicas Fabaceae (Leguminosae) e Myrtaceae são as famílias melhor representadas na região (Meyer et al. , 2004; Spósito & Stehmann, 2005), assim como ocorre nas florestas semideciduais da região sudeste (Leitão Filho, 1992; Oliveira Filho & Fontes, 2000).