Região => Caracterização Ambiental => Status da Conservação dos Ambientes Naturais


O PESRM e a EEF se inserem em uma região bastante descaracterizada em relação ao seu estado original devido ao histórico de ocupação do território e à intensidade das atividades antrópicas decorrentes do processo de colonização e urbanização da região. A forte pressão urbana, as atividades agrícolas, a mineração, o extrativismo vegetal, a caça e o fogo, são alguns exemplos de atividades antrópicas que contribuem para a descaracterização dos ambientes naturais da região.

Outros problemas como a introdução de organismos invasores e/ou exóticos em alguns ambientes das unidades, traz risco à sobrevivência das espécies nativas, comprometendo a integridade do ecossistema e dos processos naturais ali existentes. Plantas invasoras rústicas, como o capim-gordura (Melinis minutiflora), invadem rapidamente áreas abertas, principalmente após as queimadas, em substituição das espécies nativas de gramíneas. As áreas na região de influência direta do PESRM e da EEF, mais antropizadas, se localizam nas proximidades do Jardim Canadá (Nova Lima) e região do Barreiro (Belo Horizonte). Nestas áreas a ocupação humana e as atividades de mineração são mais intensas e merecem atenção especial tanto dos gestores das unidades de conservação da região, como dos municípios e dos órgãos ambientais para a regulação dos impactos ambientais e proposição de medidas de mitigadoras e de compensação ambiental. Neste cenário regional, o PESRM e a EEF se destacam no cumprimento dos objetivos da criação de ambas as unidades de conservação.

A riqueza biológica registrada durante a elaboração dos estudos temáticos do presente plano de manejo evidencia a importância de ambas para a conservação de ecossistemas únicos e de uma elevada diversidade biológica. O relacionamento da administração das unidades com o entorno, principalmente para o controle de incêndios florestais, coleta ilegal de recursos naturais e atividades turísticas e de lazer, além da criação de corredores ecológicos em parceria com as mineradoras atuantes na região, é fundamental para garantir a proteção das unidades e a manutenção da sua biodiversidade.