Revisão da Lista da Flora Brasileira Ameaçada de Extinção

IUCN - Critérios para as categorias de ambeaça CR, EM e VU - Versão 3.1

CRITICAMENTE EM PERIGO (CR)

Um táxon está Criticamente em Perigo quando a melhor evidência possível indica que ele se enquadra em qualquer um dos seguintes critérios (A a E), e é assim considerado como enfrentando um risco extremamente alto de extinção na natureza:

A - Redução no tamanho da população baseada em qualquer dos seguintes:

1. Uma redução no tamanho da população observada, estimada, inferida ou suspeita de >= 90% durante os últimos 10 anos ou três gerações, qualquer que seja o mais longo, onde as causas da redução sejam claramente reversíveis E entendidas E cessadas, baseada (e especificada) em qualquer um dos seguintes:

a. observação direta
b. um índice de abundância apropriado para o táxon
c. um declínio na área de ocupação,na extensão de ocorrência e/ou na qualidade do habitat
d . níveis reais ou potenciais de exploração
e . efeitos de táxons introduzidos, hibridação, patógenos, poluentes, competidores ou parasitas

2. Uma redução no tamanho da população observada, estimada, inferida ou suspeita de >= 80% durante os últimos 10 anos ou três gerações, qualquer que seja o mais longo, onde as causas da redução podem não ter cessado OU podem não ser entendidas OU podem não ser reversíveis, baseada e (especificada) em qualquer um dos itens (a) a (e) de 1A (acima).

3. Uma redução no tamanho da população de >= 80%, projetada ou suspeita para os próximos 10 anos ou três gerações, qualquer que seja o mais longo, baseada (e especificada) em qualquer um dos itens (b) a (e) de 1A acima.

4. Uma redução no tamanho da população observada, estimada, inferida ou suspeita de >= 80% durante quaisquer 10 anos ou três gerações, qualquer que seja o mais longo (até um máximo de 100 anos no futuro), onde o período de tempo deve incluir tanto o passado como o futuro, e onde a redução ou suas causas podem não ter cessado OU podem não ser entendidas OU podem não ser reversíveis, baseada e (especificada) em qualquer um dos itens (a) a (e) de 1A (acima).

B- Distribuição geográfica na forma de B1 (extensão de ocorrência) OU B2 (área de ocupação) OU ambas:

1. Extensão de ocorrência estimada em menos de 100 km² e estimativas indicada pelo menos dois de a-c:

a. Severamente fragmentada ou conhecido de uma única localidade
b. Declínio contínuo observado, inferido ou projetado em qualquer dos seguintes:

i. extensão de ocorrência
ii. área de ocupação
iii. área, extensão e/ou qualidade do habitat
iv. número de localidades ou subpopulações
v. número de indivíduos maduros

c. Flutuações extremas em qualquer dos seguintes:

i. extensão de ocorrência
ii. área de ocupação
iii. área, extensão e/ou qualidade do habitat
iv. número de localidades ou subpopulações
v. número de indivíduos maduros

2. Área de ocupação estimada em menos de 10km², e estimativas que indiquem pelo menos dois de a-c:

a. Severamente fragmentada ou conhecido de uma única localidade
b. Declínio contínuo observado, inferido ou projetado em qualquer dos seguintes:

i. extensão de ocorrência
ii. área de ocupação
iii. área, extensão e/ou qualidade do habitat
iv. número de localidades ou subpopulações
v. número de indivíduos maduros

c. Flutuações extremas em qualquer dos seguintes:

i. extensão de ocorrência
ii. área de ocupação
iii. área, extensão e/ou qualidade do habitat
iv. número de localidades ou subpopulações
v. número de indivíduos maduros

C- Tamanho da população estimado em menos de 250 indivíduos maduros e qualquer dos seguintes:

1. Um declínio contínuo estimado em pelo menos 25% no período de três anos ou de uma geração, qualquer que seja o mais longo (até um máximo de 100 anos no futuro) OU
2. Um declínio contínuo, observado, projetado ou inferido de indivíduos maduros e pelo menos um dos seguintes:

a. Estrutura da população numa das formas seguintes:

i. estima-se que nenhuma subpopulação contém mais de 50 indivíduos maduros OU
ii. pelo menos 90% dos indivíduos maduros estão em uma única subpopulação

b. Flutuações extremas no número de indivíduos maduros

D. População estimada em menos de 50 indivíduos maduros

E. Análise quantitativa mostrando que a probabilidade de extinção na natureza é de pelo menos 50% em 10 anos ou em três gerações, qualquer que seja o mais longo (até um máximo de 100 anos no futuro).

EM PERIGO (EN)

Um táxon está Em Perigo quando a melhor evidência possível indica que ele se enquadra em qualquer um dos seguintes critérios (A a E), e é assim considerado como enfrentando um risco muito alto de extinção na natureza.

A. Redução no tamanho da população baseada em qualquer dos seguintes:

1. Uma redução no tamanho da população observada, estimada, inferida ou suspeita de >= 70% durante os últimos dez anos ou três gerações, qualquer que seja o mais longo, onde as causas da redução sejam claramente reversíveis E entendidas E cessadas, baseada (e especificada) em qualquer um dos seguintes:

a. observação direta
b. um índice de abundância apropriado para o táxon
c. um declínio na área de ocupação, na extensão de ocorrência e/ou na qualidade do habitat
d. níveis reais ou potenciais de exploração
e. efeitos de táxons introduzidos, hibridação, patógenos, poluentes, competidores ou parasitas

2. Uma redução no tamanho da população observada, estimada, inferida ou suspeita de >= 50% durante os últimos 10 anos ou três gerações, qualquer que seja o mais longo, onde as causas da redução podem não ter cessado OU podem não ser entendidas OU podem não ser reversíveis, baseada e (especificada) em qualquer um dos itens (a) a (e) de 1A acima
3. Uma redução no tamanho da população de >= 50% projetada ou suspeita para os próximos 10 anos ou três gerações, qualquer que seja o mais longo, baseada (e especificada) em qualquer um itens (b) a (e) de 1A (acima).
4. Uma redução no tamanho da população observada, estimada, inferida ou suspeita de >= 50% durante quaisquer 10 anos ou três gerações, qualquer que seja o mais longo (até um máximo de 100 anos no futuro), onde o período de tempo deve incluir tanto o passado como o futuro, e onde a redução ou suas causas podem não ter cessado OU podem não ser entendidas OU podem não ser reversíveis, baseada e (especificada) em qualquer um dos itens (a) a (e) de 1A (acima).

B. Distribuição geográfica na forma de B1 (extensão de ocorrência) OU B2 (área de ocupação) OU ambas:

1. Extensão de ocorrência estimada em menos de 5000km² e estimativas indicando pelo menos dois de a-c:

a. Severamente fragmentada ou conhecido em mais que cinco localidades.
b. Declínio contínuo observado, inferido ou projetado em qualquer dos seguintes:

i. extensão de ocorrência
ii. área de ocupação
iii. área, extensão e/ou qualidade do habitat
iv. número de localidades ou subpopulações
v. número de indivíduos maduros

c. Flutuações extremas em qualquer dos seguintes:

i. área de ocorrência
ii. área de ocupação
iii. número de localidades ou subpopulações
iv. número de indivíduos maduros

2. Área de ocupação estimada em menos de 500 km², e estimativas que indiquem pelo menos dois de a-c:

a. Severamente fragmentada ou conhecido em mais que cinco localidades.
b. Declínio contínuo observado, inferido ou projetado em qualquer dos seguintes:

i. extensão de ocorrência
ii. área de ocupação
iii. área, extensão e/ou qualidade do habitat
iv. número de localidades ou subpopulações
v. número de indivíduos maduros

c. Flutuações extremas em qualquer dos seguintes:

i. área de ocorrência
ii. área de ocupação
iii. número de localidades ou subpopulações
iv. número de indivíduos maduros

C. Tamanho da população estimado em menos de 2500 indivíduos maduros e qualquer dos seguintes:

1. Um declínio contínuo estimado em pelo menos 20% no período de cinco anos ou de duas gerações, qualquer que seja o mais longo (até um máximo de 100 anos no futuro), OU
2. Um declínio contínuo, observado, projetado ou inferido, no número de indivíduos maduros e pelo menos um dos seguintes:

a. Estrutura da população numa das formas seguintes:

i. estima-se que nenhuma subpopulação contém mais de 250 indivíduos maduros OU
ii. pelo menos 95% dos indivíduos maduros estão em uma única subpopulação.

b. Flutuações extremas no número de indivíduos maduros.

D. População estimada em menos de 250 indivíduos maduros.

E. Análise quantitativa mostrando que a probabilidade de extinção na natureza é de pelo menos 20% em 20 anos ou em cinco gerações, qualquer que seja o mais longo (até um máximo de 100 anos no futuro).

VULNERÁVEL (VU)

Um táxon está Vulnerável quando a melhor evidência disponível indica que ele se enquadra em qualquer um dos seguintes critérios (A a E ), e é assim considerado como enfrentando um risco alto de extinção na natureza.

A. Redução no tamanho da população baseada em qualquer dos seguintes:

1. Uma redução no tamanho da população observada, estimada, inferida ou suspeita de >= 50% durante os últimos 10 anos ou três gerações, qualquer que seja o mais longo, onde as causas da redução sejam claramente reversíveis E entendidas E cessadas, baseada (e especificada) em qualquer um dos seguintes:

a. observação direta
b. um índice de abundância apropriado para o táxon
c. um declínio na área de ocupação, na extensão de ocorrência e/ou na qualidade do habitat
d. níveis reais ou potenciais de exploração
e. efeitos de táxons introduzidos, hibridação, patógenos, competidores ou parasitas.

2. Uma redução no tamanho da população observada, estimada, inferida ou suspeita de >= 30% durante os últimos 10 anos ou três gerações, qualquer que seja o mais longo, onde as causas da redução podem não ter cessado OU podem não ser entendidas OU podem não ser reversíveis, baseada (e especificada) em qualquer um itens (a) a (e) de 1A acima.
3. Uma redução no tamanho da população de >= 30%, projetada ou suspeita para os próximos 10 anos ou três gerações, qualquer que seja o mais longo, baseada (e especificada) em qualquer um itens (b) a (e) de 1A (acima).

4. Uma redução no tamanho da população observada, inferida, estimada ou suspeita de >= 30% durante quaisquer 10 anos ou três gerações, qualquer que seja o mais longo (até um máximo de 100 anos no futuro), onde o período de tempo deve incluir tanto o passado como o futuro, e onde a redução ou suas causas podem não ter cessado OU podem não ser entendidas OU podem não ser reversíveis, baseada (e especificada) em qualquer dos itens (a) a (e) de 1A acima.

B. Distribuição geográfica na forma de B1 (extensão de ocorrência) OU B2 (área de ocupação) OU ambas:

1. Extensão de ocorrência estimada em menos de 20.000 km² e estimativas indicando pelo menos dois de a-c:

a. Severamente fragmentada ou conhecido em mais que dez localidades.
b. Declínio contínuo observado, inferido ou projetado em qualquer dos seguintes:

i. extensão de ocorrência
ii. área de ocupação
iii. área, extensão e/ou qualidade do habitat
iv. número de localidades ou subpopulações
v. número de indivíduos maduros

c. Flutuações extremas em qualquer dos seguintes:

i. área de ocorrência
ii. área de ocupação
iii. número de localidades ou subpopulações
iv. número de indivíduos maduros

2. Área de ocupação estimada em menos de 2.000 km², e estimativas que indiquem pelo menos dois de a-c:

a. Severamente fragmentada ou conhecido em mais que dez localidades.
b. Declínio contínuo observado, inferido ou projetado em qualquer dos seguintes:

i. extensão de ocorrência
ii. área de ocupação
iii. área, extensão e/ou qualidade do habitat
iv. número de localidades ou subpopulações
v. número de indivíduos maduros

c. Flutuações extremas em qualquer dos seguintes:

i. área de ocorrência
ii. área de ocupação
iii. número de localidades ou subpopulações
iv. número de indivíduos maduros

C. Tamanho da população estimado em menos de 10.000 indivíduos maduros e qualquer dos seguintes:

1. Um declínio contínuo estimado em pelo menos 10% no período de cinco anos ou de duas gerações, qualquer que seja o mais longo (até um máximo de 100 anos no futuro), OU
2. Um declínio contínuo observado, projetado ou inferido, no número de indivíduos maduros e pelo menos um dos seguintes:

a. Estrutura da população numa das formas seguintes:

ib. estima-se que nenhuma subpopulação contém mais de 1.000 indivíduos maduros OU
ii. todos os indivíduos maduros estão em uma única subpopulação

b. Flutuações extremas no número de indivíduos maduros

D. População muito pequena ou restrita, numa das seguintes formas:

1. Estimada em menos de 1.000 indivíduos maduros.
2. População com área de ocupação (tipicamente menos de 20 km²) ou número de localidades (tipicamente cinco ou menos) de modo que ela esteja sujeita aos efeitos de atividade humana ou eventos estocásticos em período de tempo muito curto em futuro incerto e é portanto capaz de se tornar Criticamente em Perigo ou até Extinta em um período curto de tempo.

E. Análise quantitativa mostrando que a probabilidade de extinção na natureza é de pelo menos 10% em 100 anos.