ANO 2 :: Nº 9 :: 31 DE JANEIRO DE 2007
 

Prezados Parceiros e Colaboradores da Biodiversitas,

Ao final de dezembro foram estabelecidas pela Comissão Nacional de Biodiversidade (CONABIO) do Ministério do Meio Ambiente, as metas nacionais para a redução de perda da biodiversidade para atender a Convenção Sobre Diversidade Biológica, da qual o Brasil é um dos signatários. No que diz respeito à conservação da diversidade de espécies, considerando-se que o Brasil é o país detentor da mais alta biodiversidade mundial, as metas estabelecidas pela CONABIO, muito sensatamente, buscaram priorizar a redução da perda de biodiversidade com foco nas espécies que encontram-se ameaçadas de extinção, segundo os documentos oficiais do país para sua fauna e flora. As metas, resumidas em matéria desse Boletim, parecem, em uma primeira instância, bastante audaciosas quando o relógio aponta um prazo de três anos para o seu alcance. Temos que ter em mente que vários esforços já vêm sendo empreendidos nesse sentido mas, ainda assim, o Brasil vai precisar reunir um número maior de parceiros, e múltiplas estratégias, para que a contabilidade seja positiva ao final de 2010. Conforme vimos divulgando nesse Boletim, a Fundação Biodiversitas em parceria com o CEPAN – Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste, vem trabalhando, desde 2003, através do Programa Espécies Ameaçadas, para somar pontos em direção a proteção e recuperação das espécies ameaçadas. Esse Programa apenas foi viabilizado a partir de recursos de um fundo internacional (CEPF – Critical Ecosystem Partnership Fund), já sensibilizado para a importância do tema. Com recursos até dezembro de 2006, a Biodiversitas vem buscando a adesão de novos parceiros para o Programa (quem sabe agora brasileiros), que atualmente contribui para a conservação de 92 espécies, entre animais e plantas, ameaçadas de desaparecimento no país. Pedimos assim, para aqueles que são conscientes do valor intrínseco da diversidade biológica e de seus valores ecológico, genético, social, econômico, educacional, cultural, entre outros, e que possam ver uma oportunidade de apoio ao Programa, entrarem em contato conosco e, juntos, enfrentarmos o desafio da conservação da biodiversidade.

Gláucia Moreira Drummond
Superintendente Técnica
Fundação Biodiversit
as


O que você precisa saber
2

1


Countdown 2010
- Governos de todo o mundo prometeram erradicar a perda de biodiversidade até 2010. A “Contagem Regressiva 2010” (Countdown 2010, no nome em inglês) é um programa que auxilia na realização de ações nesse sentido. Lançado em 2004, em uma conferência na Irlanda, o Countdown 2010 é uma rede poderosa de sócios ativos que trabalham em parceria para o alcance das metas de conservação da biodiversidade estabelecidas pela CDB (Convenção Sobre Diversidade Biológica) e cada sócio vem realizando esforços que visam barrar as causas da perda de biodiversidade. A secretaria – localizada no Escritório Regional Europeu da União para a Conservação Mundial – facilita e incentiva ações, promove a importância das metas para a biodiversidade e avalia os progressos para 2010. Uma assembléia reunindo todos os parceiros acontece anualmente para rever as diretrizes gerais do Countdown 2010 e sua implementação é orientada por um Conselho Consultivo central. Atualmente, o Countdown 2010 é composto por 6 governos nacionais, 8 governos regionais e locais, 4 instituições acadêmicas, 17 aquários, museus, parques e jardins zoológicos e mais de 70 ONGs.

Saiba mais: www.countdown2010.net


Projeto promove soltura de fêmea isolada de muriqui-do-norte em RPPN da Fundação Biodiversitas
2

1

Classificado como Criticamente em Perigo (CR), segundo a Lista da Fauna Brasileira Ameaçada de Extinção (Machado et al., 2003) e com população estimada entre 700 e 1.000 indivíduos, o Brachyteles hypoxanthus (muriqui-do-norte) é o maior primata das Américas, encontrado somente em fragmentos de Mata Atlântica nos Estados de Minas Gerais, Espírito Santo e Bahia.

A descoberta, há cerca de dois anos, de uma jovem fêmea isolada da espécie no município de Santa Margarida (MG), originou o projeto “A translocação de uma fêmea isolada de muriqui-do-norte (Brachyteles hypoxanthus) como ferramenta de manejo para a conservação da espécie”. Desenvolvido pela ONG Centro de Estudos Ecológicos e Educação Ambiental (CECO) e a Universidade do Estado de Minas Gerais, Campus de Carangola (UEMG/FAFILE), o projeto conta com o apoio do Centro de Triagem de Animais Silvestres (CETAS/IBAMA), da Universidade Federal de Viçosa (UFV) e da MMX Mineração e Metálicos S.A.

Muriqui
Fêmea de muriqui translocada para RPPN Mata do Sossego.
Foto: Saulo Coutinho

Entre as alternativas técnicas de potenciais áreas para a soltura da fêmea de muriqui, o projeto optou pela RPPN Mata do Sossego, localizada no município de Simonésia (MG). De propriedade de Fundação Biodiversitas, que também a administra, esta Unidade de Conservação dispõe de uma área de 180 hectares, inserida em um complexo de Floresta Estacional Semideciual Montana e Sub-Montana de mais de 800ha. Criada com o objetivo específico de conservar o B. hypoxanthus, a RPPN Mata do Sossego abriga um grupo único de 43 indivíduos de muriquis-do-norte. Em parceria com várias outras instituições públicas, privadas e conservacionistas a Fundação Biodiversitas vem realizando um trabalho na região que tem como principal objetivo a criação do Corredor Ecológico Simonésia-Caratinga, interligando as RPPNs Mata do Sossego e Feliciano Miguel Abdala (Caratinga, MG), que também abriga grupos da espécie. As ações locais da Biodiversitas se concentram na conservação dos ecossistemas e recursos naturais, produção de mudas e reflorestamento com espécies nativas, envolvimento participativo das comunidades do entorno, adoção de práticas agroecológicas pelos cafeicultores e fortalecimento da comercialização de produtos com a marca RPPN Mata do Sossego. “Acreditamos que a conservação do Brachyteles hypoxanthus na região somente seja possível com o envolvimento direto das comunidades no processo de criação do corredor e no desenvolvimento, a partir de práticas sustentáveis, do entorno das Unidades de Conservação”, explica o Coordenador de Áreas Protegidas, da Fundação Biodiversitas, Leandro Moraes Scoss.

A iniciativa de translocação da fêmea de muriqui do fragmento florestal que a abrigava para esta Unidade de Conservação sustenta-se na possibilidade deste novo indivíduo contribuir no processo de diminuição da endogamia que possivelmente afeta o grupo que ocupa a área da RPPN Mata do Sossego. “A introdução de genes que carregam informações resultantes de outra história de vida pode aumentar a probabilidade genética de sobrevivência em longo prazo da população de muriquis na região de Simonésia. Espera-se que este refresco genético na população de muriquis da RPPN Mata do Sossego possa ser percebido, em médio prazo, com o nascimento de um filhote desta fêmea introduzida e que, a partir deste momento, os efeitos de alguns processos naturais minimizem a probabilidade de extinção local desta população”, explica Leandro Scoss. Segundo o técnico da Biodiversitas, até se conseguir implementar de fato o corredor ecológico entre as duas RPPNs da região, ambas criadas para conservar o muriqui-do-norte, a execução de iniciativas como esta é fundamental para a melhor compreensão das necessidades da espécie e das interações com o seu hábitat, além de contribuir para a manutenção destas populações sob condições naturais.

Muriqui
Dr. Fabiano Melo e equipe examinando a fêmea antes da soltura.
Foto: Saulo Coutinho

Com o apoio da MMX Mineração e Metálicos S.A., e aprovado e acompanhado pelo IBAMA através de suas comissões específicas, o projeto realizou sua primeira expedição para captura da fêmea em outubro de 2006, mas somente no mês de dezembro ela foi localizada e capturada, no município de Divino (MG), vizinho ao de Santa Margarida. Coordenada pelo biólogo e presidente da Sociedade Brasileira de Primatologia, Dr. Fabiano Rodrigues de Melo, a equipe contou com o apoio de dois biólogos com experiência em estudos de campo com os muriquis e dois médicos veterinários experientes na captura e contenção físico-química de animais silvestres com uso de armas anestésicas, sendo um deles, anestesista. Também estavam presentes estagiários da UEMG/FAFILE, além de profissionais do IBAMA e da equipe da empresa YKS, responsável pelo apoio institucional e acompanhamento técnico do projeto, pela MMX. Segundo relatório assinado pelo Dr. Fabiano Rodrigues de Melo, “a injeção do anestésico foi feita ainda no alto das árvores, e foi utilizado um rifle para o disparo do dardo. No solo, a equipe retirou o dardo, verificou a saturação de oxigênio, batimentos cardíacos, a temperatura retal e a biometria. Também foram feitas coletas de fezes e sangue para análise clínica dos parâmetros parasitológicos, hematológicos, esfregaço sangüíneo e amostras de pêlos para futuras análises laboratoriais para avaliar a variabilidade genética e auxiliar na identificação da origem do animal. Além disso, foi instalado um rádio colar no pescoço da fêmea translocada para viabilizar o monitoramento durante o processo de adaptação e sobrevivência em seu novo hábitat, além de permitir a observação direta de interações com os indivíduos do grupo da RPPN Mata do Sossego”.

Os dados levantados em campo permitiram verificar que a fêmea, que recebeu o nome de Eduarda, em homenagem ao biólogo Eduardo Marcelino Veado, falecido em 2006, é um subadulto, de 04 a 05 anos, com 5,2 quilos e 1,29 metros, indicando que esta já está apta a iniciar sua fase reprodutiva. O material coletado foi encaminhado para o laboratório da UFV e ainda encontra-se em análise. Com o quadro clínico estável, de acordo com a avaliação dos médicos veterinários presentes, o animal foi solto na Mata do Sossego, em uma das áreas de maior intensidade de uso pelos muriquis da RPPN, segundo identificação do Projeto “Conservação e Manejo do Muriqui em Minas Gerais”, coordenado pela Biodiversitas com financiamento do FNMA/PROBIO (Edital 01/2003). Desde então, o animal vem sendo diariamente monitorado a partir dos sinais do rádio transmissor para identificação do padrão de uso da área, processo de habituação à nova área e contatos com o grupo de muriquis residente. “No primeiro mês já foi possível constatar que a fêmea já interagiu com o grupo residente, acompanhando-o em diversas ocasiões. Verificou-se também que o animal alimenta-se diariamente, o que mostra uma rápida adaptação, indicando que todo o processo de translocação está no curso certo”, comemora Melo, responsável pela equipe técnica do CECO, que monitora a fêmea em parceria com a Fundação Biodiversitas. O pesquisador afirma, ainda, que a diminuição da Mata Atlântica e a ausência de conectividade entre as áreas habitadas pelos grupos ainda existentes de muriquis-do-norte indicam que a translocação de indivíduos é hoje uma das poucas formas de promover a variabilidade genética e manutenção da espécie em áreas naturais e protegidas. “Os resultados deste projeto, pioneiro em Minas Gerais, possibilitarão compreender a importância de translocações para a manutenção de populações saudáveis de muriquis-do-norte, o planejamento de outras iniciativas de translocação de primatas ameaçados de extinção, hoje isolados em pequenos fragmentos florestais, e o estabelecimento de linhas de pesquisa, de financiamento e parcerias entre as instituições de pesquisa, os órgãos de fomento, a iniciativa privada e órgãos ambientais”, conclui.


Exemplar de menor sapo do mundo encontrado em Santa Catarina
2

1

11 milímetros. Esse é o tamanho do menor sapo do mundo, encontrado este mês pelo casal de ambientalistas Germano Woehl e Elza Nishimura Woehl, responsáveis pela ONG Instituto Rã-Bugio, de Jaraguá do Sul, SC. Depois de seis anos em busca da espécie, um anfíbio da família Brachycephalidae, um macho adulto foi encontrado debaixo de folhas secas na Serra do Mar, em Joinville. Por seu tamanho e coloração dourada, o sapo foi batizado de sapo-pingo-de-ouro. Até então conhecida da Mata Atlântica do Espírito Santo até o Paraná,  o novo registro da espécie representa a ampliação da área de distribuição da espécie e ilustra os benefícios que os investimentos em pesquisas científicas a longo prazo - ainda pontuais no Brasil - podem trazer.

O exemplar encontrado foi fotografado, filmado e devolvido à natureza. Como no Brasil exige-se a coleta do animal para seu registro, o próximo passo é tentar seu registro oficial nos Estados Unidos. De acordo com informações divulgadas pela ONG Rã-Bugio, que trabalha com educação ambiental e preservação das espécies, a equipe acreditou ser mais ético não capturar o animal. Esta não é a primeira vez que a instituição decide por não coletar uma espécie. Em 2000, a ONG registrou nos Estados Unidos a notificação da rã-marrom, única da espécie em Santa Catarina, localizada em Guaramirim, em 1999.

No ano passado, o Presidente da Sociedade Brasileira de Herpetologia e pesquisador associado ao Mater Natura, Magno Segalla, registrou em serras catarinenses a ocorrência dos sapinhos do gênero   Brachycephalus, composta por 11 espécies, todas endêmicas do bioma Mata Atlântica. Também em 2006, Magno Segalla teve um projeto aprovado pela Fundação Biodiversitas (Edital 01/2006 do Programa de Proteção às Espécies Ameaçadas da Mata Atlântica Brasileira – PEA) para estudo da distribuição geográfica, status de conservação e aspectos da história natural de anfíbios anuros do Nordeste de Santa Catarina e Sudeste do Paraná. Os novos dados vêm contribuir para uma maior compreensão da diversidade e evolução dos anfíbios, grupo que hoje tem 32,5% das espécies conhecidas em todo o planeta sob risco de extinção.

Saiba mais e veja fotos e vídeos sobre a espécie: http://www.ra-bugio.org.br/ver_especie.php?id=512


IBAMA proíbe cata do caranguejo-uçá no Piauí
2

1

Muriqui
Caranguejo-uçá.
Foto: Marcelo A. A. Pinheiro

Na edição de dezembro/2006 o boletim Espécies Ameaçadas Online apresentou o projeto “Biologia e Manejo do Caranguejo-uçá, Ucides cordatus (Crustacea, Brachyura, Ocypodidade)”, aprovado no Edital 01/2004 do Programa de Proteção às Espécies Ameaçadas de Mata Atlântica Brasileira (PEA) e realizado no Estado de São Paulo. Desta vez, a espécie está em foco no Piauí. Desde o último dia 22 o IBAMA proibiu a cata do caranguejo naquele Estado, com o objetivo de proteger a espécie em sua época de reprodução. Todos os anos, cerca de 5 milhões de U. cordatus são capturados somente na região do Delta do Parnaíba, no litoral piauiense. Utilizado como fonte de alimento pelo homem, o caranguejo-uçá é amplamente consumido e apreciado em todo o litoral brasileiro, sendo um importante recurso pesqueiro na região Nordeste e fonte de renda para comunidades tradicionais. O elevado índice de captura do U. cordatus vem causando a redução de suas populações em diversos estados do país. A proibição da cata do caranguejo-uçá no Piauí foi dividida em quatro períodos, de acordo com as épocas em que a espécie sai da toca para o acasalamento e reprodução. Segundo dados divulgados pelo IBAMA, existem hoje cerca de 6.500 catadores de caranguejo somente na região do Delta do Parnaíba, que engloba os Estados do Piauí e Maranhão.

Fonte: www.ibama.gov.br

CONABIO define metas nacionais para 2010
2

1

Enquanto os países da União Européia estão se mobilizando, através do Countdown 2010, para captar a atenção pública e catalisar ações que levem a cabo os numerosos compromissos estabelecidos para inverter a crescente perda de biodiversidade no continente até ao ano 2010, o Brasil também trabalha para cumprir os compromissos assumidos junto à Convenção Sobre Diversidade Biológica (CDB). A Comissão Nacional de Biodiversidade - CONABIO realizou, em dezembro último, a 21ª Reunião Ordinária e a 12ª Reunião Extraordinária, nas quais foram aprovadas as metas discutidas e estabelecidas no Seminário Nacional de Metas para 2010, realizado em outubro de 2006. A adoção de um conjunto de metas nacionais de biodiversidade, em consonância com as metas globais aprovadas pela Conferência das Partes da CDB foi uma solicitação da própria Convenção aos países-parte e, no Brasil, a coordenação da implementação dessas metas é de responsabilidade da CONABIO (Artigos 2º e 6º do Decreto nº 4.703, de 21/05/2003). “O Brasil é um dos poucos países com alta diversidade que já propôs essas metas. Essas metas foram discutidas em conjunto com representantes do governo e da sociedade e, portanto, têm mais importância por que colocam a sociedade civil também como parte responsável, junto com o governo”, afirma o Diretor Nacional de Conservação da Biodiversidade do Ministério do Meio Ambiente, Paulo Kageyama.

Já estão disponíveis no site da CONABIO (www.mma.gov.br/conabio), a Resolução Nº 3, de 21 de dezembro de 2006, que dispõe sobre as Metas Nacionais de Biodiversidade para 2010, juntamente com a tabela de metas aprovadas. As metas dispõem sobre o conhecimento e conservação da biodiversidade do país; utilização sustentável dos componentes da biodiversidade; monitoramento, avaliação, prevenção e mitigação de impactos sobre a biodiversidade; acesso aos recursos genéticos, conhecimentos tradicionais associados e repartição de benefícios; educação, sensibilização pública, informação e divulgação sobre biodiversidade; e fortalecimento jurídico e institucional para a gestão da biodiversidade. Os objetivos são promover a conservação da diversidade biológica de ecossistemas, hábitats e biomas; a conservação da diversidade de espécies e da diversidade genética; promover o uso e o consumo sustentáveis; reduzir as pressões da perda de hábitats, mudança no uso e degradação de terras, e uso não sustentável das águas; controlar as ameaças de espécies exóticas invasoras; manter a diversidade sócio-cultural de comunidades indígenas e locais; assegurar a repartição justa e eqüitativa dos benefícios derivados do uso de recursos genéticos; e assegurar melhor capacidade financeira, humana, científica, técnica e tecnológica para a implementação da Convenção.

O Objetivo 2 do Componente 2 da Política Nacional da Biodiversidade (PNB), que trata da promoção da conservação da diversidade de espécies, estabelece como metas que todas as espécies reconhecidas oficialmente como ameaçadas no país sejam contempladas com Panos de Ação e Grupos Assessores Ativos, que estas espécies sejam efetivamente conservadas em áreas protegidas e que haja a redução de 25% na taxa anual de incremento de espécies da fauna ameaçadas na Lista nacional, com retirada de  táxons que atualmente compõem a Lista Brasileira. Uma avaliação preliminar do status de conservação de todas as espécies conhecidas da flora, fauna de vertebrados e, seletivamente, de invertebrados também compõe a lista de metas. Além destas, neste componente a PNB estabelece que 60% das espécies de plantas ameaçadas sejam conservadas em coleções ex situ e 10% incluídas em programas de restauração e recuperação, assim como 60% das espécies migratórias  da fauna sejam contempladas com planos de ação e 30% tenham programas de conservação implementados.



Programa de Proteção às Espécies Ameaçadas da Mata Atlântica Brasileira
2

1

Com quatro editais voltados para fauna e flora lançados até o momento, o Programa de Proteção às Espécies Ameaçadas de Extinção da Mata Atlântica Brasileira financia, desde 2004, pesquisas que forneçam subsídios para a proteção e o manejo de espécies da flora e fauna ameaçadas desse bioma. Desenvolvido com recursos do Fundo de Parceria para Ecossistemas Críticos (Critical Ecosystem Partnership Fund – CEPF) e coordenado em parceria pela Fundação Biodiversitas (BH/MG) e CEPAN (Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste), o Programa já contabiliza um total de 51 projetos aprovados, contemplando 92 espécies em 13 Estados do país.

Conheça nesta edição os resultados do projeto “Ecologia reprodutiva de Calycorectes australis (Myrtaceae) em Floresta Atlântica no sul do Estado de São Paulo

Aprovado no Edital 02/2004, este projeto tem como objetivo principal determinar se a estratégia reprodutiva da espécie-foco - Calycorectes australis, classificada como Em Perigo, segundo a Lista IUCN (2003) – é eficiente para a manutenção da população no local de estudo (Base Saibadela – Parque Estadual Intervales, município de Sete Barras, SP). Durante o estudo, pesquisadores coordenados pela botânica Patrícia Morellato vêm registrando dados da morfologia floral, horário e sequência da floração, receptividade do estigma e viabilidade do pólen de C. australis.

Muriqui
C. australis
Foto: Eliana Gressler

Os resultados obtidos até o momento apontam que a uvaia (C.australis) produz flores e frutos anualmente, com o ciclo reprodutivo ocorrendo entre setembro e janeiro. As flores são polinizadas por abelhas pequenas (subfamília Meliponinae) e as sementes são dispersas por aves de médio porte, como o surucuá (Trogon viridis) e corocoxó (Carponis cucullatus), e predadas principalmente por pequenos roedores.“Conhecidas as interações da uvaia com seus polinizadores, dispersores e predadores de sementes, pode-se saber se o modo como a uvaia está se reproduzindo é eficiente e garante sua sobrevivência no local de estudo e, mais amplamente, em outras áreas de Mata Atlântica nas quais a espécie ocorre. Além disso, as informações sobre a época de produção de sementes possibilitarão a montagem de um banco genético de sementes, garantindo a preservação da variabilidade da espécie e, portanto, a sobrevivência da mesma”, afirma Patrícia Morellato. 

Como principal ação recomendada para recuperação/proteção da espécie, o projeto aponta, principalmente, para a preservação do ambiente em que a espécie ocorre, a Mata Atlântica. Patrícia Morellato assinala, ainda, a fundamental importância da realização de mais estudos sobre C. australis como ação de conservação. “O próximo passo para a continuidade desse estudo é divulgar os resultados obtidos e, assim, fornecer informações para a elaboração dos planos de recuperação/proteção da espécie. É imprescindível o desenvolvimento de mais estudos sobre C. australis, incluindo a fauna associada - dispersores de sementes, predadores de folhas e sementes - o DNA, a fisiologia e o estabelecimento de plântulas, entre outros”, afirma.


Fauna de répteis brasileiros tem duas novas espécies descritas
2

1

 

Stenocercus squarrosus e Stenocercus quinarius são os lagartos descritos na mais recente edição do South American Journal of Herpetology, publicação da Sociedade Brasileira de Herpetologia. Ambas as espécies são exclusivas de regiões especiais no Cerrado e seu contato com a Caatinga, ocorrendo em áreas prioritárias para a conservação, segundo recente revisão do Ministério do Meio Ambiente. As espécies foram descritas pelo Analista em Biodiversidade da Conservação Internacional e doutor em Ecologia, Cristiano Nogueira, em parceria com o zoólogo Miguel Trefaut Rodrigues, professor do departamento de zoologia da Universidade de São Paulo.
 
Estas são as primeiras espécies descritas dos 253 répteis Squamata (lagartos e serpentes) registrados no maior levantamento realizado no Cerrado sobre a biodiversidade do grupo. O estudo abrangeu dez Estados em sete anos de pesquisa, coletando mais de 1.500 exemplares em campo. O S. quinarius, encontrado na região do Parque Nacional Grande Sertão Veredas, entre Minas Gerais e Bahia, está protegido dentro da Unidade de Conservação, mas a situação das populações que estão fora de áreas protegidas não é favorável, devido à perda de vegetação nativa. Em situação diferente, mas não menos preocupante, o S. squarrosus foi encontrado pelo pesquisador e curador de Herpetologia do Museu de Zoologia da USP, Hussam Zaher, no Parque Nacional da Serra das Confusões, no sul do Piauí, que poderá ser ampliado em breve, protegendo uma área de transição entre o Cerrado e a Caatinga.

Fonte: www.conservacao.org

 



Notícias da UICN Sur
2

1


*A coluna “Notícias da UICN Sur” é publicada em todas as edições do informativo eletrônico Espécies Ameaçadas Online e traz notícias enviadas pelo escritório regional da América do Sul, em Quito, Equador.

Countdown 2010 Sudamérica  La Cuenta Atrás 2010 (Countdown 2010) es una iniciativa de la UICN, liderada por la  Oficina Europea de la Unión,  cuyo objetivo es  promover la ayuda para la consecución del objetivo 2010 del CDB sobre pérdida de biodiversidad, a través de una red de socios (www.countdown2010.net).  La participación de miembros dentro del Countdown 2010 se hace efeciva a partir de la aceptación de su declaración de principios. Esta iniciativa surgió durante el lanzamiento de la Conferencia de Europa sobre Biodiversidad y Modos de Vida Sostenible, realizada en Malahide, Irlanda, en 2004. Está liderada por la Oficina Regional Europea de la UICN (ROfE), que trabajará con la Oficina Regional para América del Sur, ubicada en Quito, Ecuador, para su lanzamiento en la región.

Para mayor información de la Iniciativa Cuenta Atrás 2010 Sudamérica,  por favor contactar a:  arturo.mora@sur.iucn.org



Agenda 2007
2

1


XVII EBI - Encontro Brasileiro de Ictiologia
28 de janeiro a 01 de fevereiro de 2007
Campus de Itajaí da UNIVALI, Itajaí – SC.
Informações: www.ebi2007.com

III Curso de Conservação de Carnívoros Silvestres
03 a 10 de fevereiro de 2007
Hotel Fazenda Águas Emendadas, Planaltina, DF (parte teórica) e Estação Ecológica de Águas Emendadas, DF (prática).
Informações: www.procarnivoros.org.br/cursos.php

12º Congresso Latino-Americano de Ciências do Mar - XII COLACMAR
15 e 19 de abril de 2007
Florianópolis, SC
Informações: www.colacmar.com

IV Congresso Colombiano de Botânica
22 a 27 de abril de 2007
Medllin, Colômbia
Informações: www.botanica.org.br

VII Congresso Brasileiro do Ministério Público do Meio Ambiente
25 a 27 de abril de 2007
Fortaleza, CE
Informações: www.abrampa.org.br

4º Encontro Nacional das Águas – ENA
16 a 18 de maio de 2007
Universidade Católica de Pernambuco – UNICAP, Recife, PE
Informações: www.unicap.br/aguas2007/

XVII Congresso Venezoelano de Botânica - Botánica y humanidad, esencia del desarrollo sustentable
20 a 25 de maio de 2007
Maracaibo, Venezuela
Informações: www.socbot.org.ve / congreso2007@gmail.com

29º Congresso Brasileiro de Espeleologia
07 a 10 de junho de 2007
Ouro Preto, MG
Informações: www.sbe.com.br

V Congresso Brasileiro de Unidades de Conservação / II Mostra de Conservação da Natureza / Simpósio Internacional de Conservação da Natureza
17 a 21 de junho de 2007
Hotel Rafain Palace - Foz do Iguaçu, PR
Informações: www.fundacaoboticario.org.br

V
Fórum Nacional de Meio Ambiente / XIV Semana de Educação Ambiental
l01 a 06 de junho de 2007
UNIJUÍ, Campus Sta Rosa – RS
Informações: (55) 3511-5254

XXI Congresso Anual da Sociedade para a Biologia da Conservação
01 a 05 de Julho de 2007
Universidade Metropolitana Nelson Mandela, em Port Elizabeth, África do Sul
Informações: www.nmmu.ac.za/scb/

III Congresso Brasileiro de Herpetologia
15 a 20 de julho de 2007
Belém, PA.
Informações: www.sbherpetologia.org.br

XIIº Congresso Brasileiro de Primatologia
22 a 27 de julho de 2007
PUC-Minas, Campus Coração Eucarístico, Belo Horizonte – MG
Informações: www.carangola.br/primatologia/

13th International Meiofauna Conference
29 de julho a 03 de agosto de 2007
Recife Palace Hotel, Recife, PE
Informações: www.ufpe.br/thirimco/index1.htm

International Symposium on Fish Passages in South América
30 de julho a 03 de agosto
Universidade Federal de Lavras (UFLA), Lavras, MG
Informações: www.eventos.ufla.br/fishpassages

XIV International Bat Research Conference
19 a 23 de agosto de 2007
Fiesta Americana Hotel - Mérida, México
Informações: www.batconference.confhost.net/index.html

XVII Congresso Internacional de Aracnologia
05 a 11 de agosto
Hotel Fazenda Colina Verde, São Pedro – São Paulo
Informações: www.ib.usp.br

VII Encontro Verde das Américas - Conferência das Américas para o Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (“Greenmeeting”)
11 a 13 de setembro de 2007
São Paulo, SP
Informações: www.greenmeeting.org

VIII Congresso de Ecologia do Brasil
23 a 28 de setembro de 2007
Caxambu, MG
Informações:www.viiiceb.or

Associe-se à Biodiversitas
2

1

A luta pela preservação da biodiversidade brasileira é a missão da Biodiversitas há mais de quinze anos. Neste período, atividades de pesquisa, levantamentos biológicos e divulgações científicas só foram possíveis através de convênios e doações de pessoas físicas e empresas ecologicamente envolvidas.
Tornando-se um sócio-contribuinte da Biodiversitas, você irá atuar diretamente na preservação de espécies da fauna e da flora brasileiras ameaçadas de extinção. Seu apoio é fundamental para que nosso trabalho continue gerando resultados positivos na conservação da biodiversidade do país. Associando-se à Biodiversitas você terá acesso a conteúdos exclusivos no site, notícias sobre os projetos desenvolvidos pela Fundação e ainda irá ganhar brindes, participar de promoções e muito mais. A Biodiversitas oferece ainda uma carteirinha personalizada que dá direito a descontos especiais na compra dos produtos da Ecolojinha.

Acesse nossa página na Internet e comece a contribuir para a conservação da biodiversidade brasileira:  www.biodiversitas.org.br/socio.htm